GRACILIANO RAMOS

GRACILIANO RAMOS

Graciliano Ramos de Oliveira (Quebrangulo, 27 de outubro de 1892 – Rio de Janeiro, 20 de março de 1953) foi um romancista, cronista, contista, jornalista, político e memorialista brasileiro do século XX, mais conhecido por sua obra Vidas Secas (1938). Nascido numa grande família de classe média, viveu os primeiros anos de sua infância migrando para diversas cidades da Região Nordeste do Brasil. Trabalhou como jornalista na cidade do Rio de Janeiro, onde escreveu para O Malho e Correio da Manhã, até regressar para o Nordeste em 1915, devido tragédia familiar em que perdeu quatro irmãos. Fixou-se na cidade de Palmeira dos Índios, onde casou-se, e em 1927, foi eleito prefeito, cargo que exerceu por dois anos. Logo, voltou a escrever e publicou seu primeiro romance, Caetés (1933). Vivendo em Maceió durante a maior parte da década de 1930, trabalhou na Imprensa Oficial e publicou São Bernardo (1934). Foi preso na capital alagoana em março de 1936, acusado de ser militante comunista. Esse incidente o inspiraria a publicar duas de suas principais obras: Angústia (1936) e o texto "Baleia", que daria origem à Vidas Secas em 1938. Já na década de 1940, ingressou no Partido Comunista Brasileiro ao lado do militar e político Luís Carlos Prestes. Nos anos posteriores realizaria viagens a países europeus, incluindo a União Soviética em 1952. Morreu em 20 de março do ano seguinte, aos 60 anos, no Rio de Janeiro. Suas obras póstumas notáveis incluem Memórias do Cárcere, a crônica Viagem e o livro de contos Histórias de Alexandre. Tradutor de obras em inglês e francês e honrado com diversos prêmios em vida, a obra de Graciliano Ramos recebeu riqueza da crítica literária e atenção do mundo acadêmico. Seu romance modernista também conhecido como regionalista Vidas Secas é visto como um clássico da literatura brasileira. Encontra-se colaboração da sua autoria na revista luso-brasileira Atlântico.

Pague com
  • Pix
  • Pagar.me V2
Selos

Editora Nova Fronteira Participacoes S/A - CNPJ: 33.324.484/0001-83 © Todos os direitos reservados. 2022

Fundada em 1965, a Nova Fronteira é referência em qualidade editorial, além de ser uma das editoras mais respeitadas do país.

Seu catálogo de excelência conta com cerca de 2.000 títulos de autores consagrados da literatura nacional ( Ariano Suassuna, Mário de Andrade, Rubem Fonseca, Nelson Rodrigues, Carlos Heitor Cony, Caio Fernando Abreu, Millôr Fernandes) e internacional (Simone de Beauvoir, Jean-Paul Sartre, T.S. Eliot, Bertrand Russell), assim como traduções primorosas de clássicos universais (Bárbara Heliodora, Ivo Barbosa, Ivan Junqueira).

Selo editorial das

EDITORA NOVA FRONTEIRA PARTICIPAÇÕES S/A

CNPJ: 33.324.484/001-83

RUA CANDELÁRIA, 60 - 7º ANDAR

CENTRO, RIO DE JANEIRO - RJ

20091-020 - (21) 3682-8200

FORMAS DE PAGAMENTO

  • HOME
  • QUEM SOMOS
  • FALE CONOSCO